Dénia.com
Pesquisar um artigo

Este será o Festival de les Humanitats que fará de Dénia a capital do pensamento crítico no Mediterrâneo

Agosto 03 da 2022 - 11: 21

Nesta terça-feira, o festival que pode mudar para sempre a percepção da cidade do lado de fora foi apresentado em Dénia, colocando-o no mapa das mentes mais brilhantes em diferentes campos: o Festival de les Humanitats.

O prefeito de Dénia, Vicent Grimalt, juntamente com o diretor da equipe de coordenação do festival, Josep Ramoneda, finalmente revelou esta semana o programa que gerou grande expectativa, acompanhado pelo presidente da Generalitat, Ximo Puig, o vice-presidente da Fundação Dénia Ciutat Creativa de la Gastronomia, Cristina Sellése o presidente da Balearia, Adolfo Utor.

Uma ideia com um único cenário possível: Dénia

Este Festival de les Humanitats nasceu após uma conversa entre Ximo Puig e os membros da revista A mala de Portbou, sobre a preocupação de como será o mundo após a pandemia e a crise da democracia, ameaçada pelo totalitarismo. “Parece que o mundo está avançando em um ritmo com ciência e tecnologia e em outro ritmo em termos de pensamento”, disse Puig. Decidiram criar, portanto, um grande encontro internacional em que se incentivasse a reflexão e o debate sobre as principais preocupações da sociedade. Uma vez concretizada a ideia, restava apenas uma questão importante a ser esclarecida: qual seria o cenário?

«Pensamos rapidamente em Dénia» como «o melhor ambiente». A semente do festival teve que ser plantada em um lugar com uma história ligada a grandes pensadores, para que Dénia pudesse recuperar sua posição privilegiada como ponto de encontro de filósofos e estudiosos. O prefeito, dizem, recebeu a ideia com entusiasmo, oferecendo a cidade para sediar o importante evento. “Marcará um antes e um depois na imagem e prestígio da nossa cidade, porque o seu objetivo é torná-la uma referência de pensamento, reflexão e humanidades e recuperar, de certa forma, o esplendor cultural daquela Daniya islâmica, " ele declarou. Grimalt.

Segundo Puig, "anexar Dénia ao espaço de pensamento e reflexão oferecerá um novo atributo à cidade", uma nova atração que une gastronomia, lugares e outras reivindicações que buscam dessazonalizar o turismo na cidade.

Um espaço para responder a grandes perguntas

O propósito último do Festival de Humanidades, segundo Josep Ramoneda, é «falar, raciocinar juntos sobre as coisas que nos acontecem num contexto como o atual, em que o mundo acelerou tanto que parece que as máquinas pode fazer mais do que nós, para o qual a primeira obrigação é refletir sobre a condição humana e nos fazer as clássicas perguntas de "quem somos?", "de onde viemos?" e "para onde vamos?" Especificamente, o tema desta primeira edição será Mutações: o que nos espera no futuro próximo?.

O festival será realizado de 27 a 29 de outubro, com, por enquanto, dois palcos principais que mostram seu compromisso com a colaboração público-privada: o Centro Social e a Sala l'Androna de Balearia Porta. No entanto, o objetivo, segundo o autarca, “é centrar as próximas edições e atividades ligadas ao festival no futuro Centro Universitário de Torrecremada, que está a ser reabilitado, e noutros espaços emblemáticos que em breve teremos disponíveis, como o convento do Pobre Jesus.

Entre os seus participantes estão nomes de grande importância, como os próprios Ximo Puig, Josep Ramoneda e Adolfo Utor, aos quais se juntarão especialistas nacionais e internacionais do pensamento, ciência, economia e outras áreas, incluindo o actual Ministro das Universidades de Espanha, Joan Subirats.

além do festival

Por outro lado, ao longo do ano decorrerão atividades relacionadas com o festival, que nasceu com vocação para a continuidade no tempo. Essas atividades serão de natureza eminentemente cultural e entidades como o Instituto de Estudos Regionais da Marina Alta (IECMA), a Fundação Chirbes e a Associação Artística Musical de Dénia colaboram em seu desenvolvimento.

O Festival de Humanidades destina-se a ser frequentado por professores e estudantes universitários e secundários, mas também por investigadores, escritores, artistas plásticos e audiovisuais, músicos e público em geral.

Ótima recepção de negócios

Este projeto foi muito bem recebido pela comunidade empresarial de Dénia, representada na apresentação de Cristina Sellés e Adolfo Utor. Sellés, que além de ser vice-presidente da Fundació Dénia Ciutat Creativa de la Gastronomia é o presidente da Aehtma, indicou que "a organização do festival é uma oportunidade para transformar Dénia no epicentro do pensamento e do lado empresarial da fundação acreditamos que eventos como este devem ser promovidos em conjunto com a colaboração do público.”

Presidente Balearia, Adolfo Utor, por sua vez, referiu-se ao Espai Lluís Vives, parte do programa de debates centrado nas humanidades e negócios, e expressou sua convicção sobre "o valor das humanidades e sua incorporação aos negócios". Em linha com o que foi afirmado pelo prefeito, Adolfo Utor também acredita que transformar Dénia em "a capital do pensamento é voltar ao século XNUMX de Daniya", uma época esplêndida em que Dénia alcançou prestígio que com iniciativas como este Festival das Humanidades "vai tentar recuperar e recordar".

O impacto na cidade

Finalmente, o presidente Puig destacou que o Festival de Humanidades de Dénia "constitui um espaço de pensamento, reflexão e diálogo entre culturas e diferentes formas de ver o mundo", bem como um exercício de grande importância para fortalecer a democracia, pois demonstrou que os avanços em direitos e liberdades são "reversíveis" e é preciso lutar permanentemente para consolidá-los.

O presidente também enfatizou que a iniciativa terá um impacto econômico, social e cultural positivo, tanto em Dénia e Marina Alta quanto na Comunidade Valenciana como um todo.

2 Comentários
  1. Luis diz:

    Mas se eles não entendem nem a Constituição espanhola e agora vão como uma "referência internacional de pensamento crítico"... É uma piada se não fossem os subsídios que estão encobertos.


37.861
4.441
12.913
2.400